segunda-feira, 14 de maio de 2012

Nada de mãe tigre!

Não concordo com a metodologia da mãe tigre. Ou seja, não concordo com o excesso de exigências e cobranças em relação ao desempenho das crianças na escola!


Livros do prof Marcos no site:  www.kapok.com.br

4 comentários:

BELMIRO REIS disse...

Muito boa explanação professor.

Isabelle disse...

Não li sua explanação, mas já li sobre o livro ''Mãe tigre''.
Também sou contra essa metodologia!
Devemos buscar o equilíbrio para nossos filhos e para nós. Esse tipo de metodologia só revela o quanto os pais precisam reconstruir sua maneira de pensar e agir.
Grande abraço, professor!
Isabelle dos Santos

Mauro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Clarice disse...

Olá Marcos. Há tempos gostaria de tirar uma dúvida contigo e assistir esse vídeo me motivou a te enviar esse comentário.
Tenho um filho de 3 anos. O pai dele e eu (e mais uma porção de gente) achamos que ele é uma criança maravilhosa. Quase não dá trabalho. É carinhoso, obediente (na maior parte do tempo) e muito saudável. Ativo (brinca muito, corre sempre que tem espaço e dorme muito bem porque está sempre cansado depois de tanta ação), criativo e espoleta. Enfim, eu poderia passar mais umas três horas apenas falando sobre as qualidades dele, mas o assunto não é esse.
O problema é que eu tenho medo de dar carinho e amor demais. Eu explico: o pai dele e eu somos bastante firmes com ele, afinal de contas, se fizermos tudo o que ele quer agora e não corrigirmos as manhas e birras, sofreremos bastante mais tarde. Mas em compensação, nós também somos EXTREMAMENTE amorosos com ele. Principalmente eu, já que o pai dele faz faculdade à noite e passa bem menos tempo com ele. Eu brinco muito, me rolo com ele, abraço e beijo o tempo todo. Deito ele no meu colo quando estamos assistindo um filme, deito na cama dele pra ler a historinha de dormir (todos os dias!), brinco quando dou banho... enfim, penso muito no arrependimento que eu terei quando ele for mais velho e não quiser mais essas coisas, se eu não tiver aproveitado ao máximo esse tempo de agora para abraçar e beijar o tempo todo.
Mas eu tenho um pouco de medo, porque eu quero que ele seja independente. Ao mesmo tempo que ele faz praticamente tudo sozinho (fica dizendo "eu, eu, eu, eu!!!" quando tento fazer algo por ele, como ajudar a escovar os dentes), ele é bastante "carente". Todas as manhãs, quando estamos tomando nosso café da manhã, ele fala "quero ir no seu colinho". Não quer comer sentado na cadeirinha dele. E à noite, muitas vezes depois de eu ter lido a história, cantado a musiquinha, dito "boa noite" e deixado ele na cama dele, quando vou checar se ele já está dormindo ouço um meloso "você deita aqui comigo?".
No café da manhã eu sempre peço que ele espere eu terminar de comer, para só depois dar o colinho a ele, pois caso contrário eu não consigo comer. À noite eu sempre deito um pouco mas aviso que logo preciso ir fazer as minhas coisas. Eu estou certa? Não estou correndo o risco de criar um filho dependente ou muito carente?
Desculpe pelo enorme comentário...
Um abraço!
Clarice