terça-feira, 29 de abril de 2014

Reuven Feuerstein Faleceu.


REUVEN FEUERSTEIN FALECEU.

29 de abril de 2014.
Reuven Feuerstein morreu. Para muitos, quando Ayrton Senna morreu, foi uma grande dor, perderam seu maior ídolo. Para mim, Feuerstein era minha inspiração na Educação e a dor de sua partida é muito grande.
Nascido em 21 de agosto de 1921 em Botosan, na Romênia, logo imigrou para Israel e lá se estabeleceu. Fez seu doutorado em psicologia do desenvolvimento na mesma universidade em que Piaget era professor de Psicologia.  Conheceram-se.
Desenvolveu a Teoria da Modificabilidade Estrutural Cognitiva, mais conhecida como teoria da mediação da aprendizagem. Seu trabalho responde a inúmeras questões sobre o desenvolvimento da inteligência por meio da interação de qualidade. A neurociência vem comprovando muitas afirmações da teoria da mediação evidenciando que o fator mais importante para o desenvolvimento da inteligência de uma pessoa, seja ela criança ou adulta, é a qualidade da interação que recebe de alguém que conhece mais que ela. É o resgate do valor do professor.
Criou e desenvolveu o PEI – Programa de Enriquecimento Instrumental, um dos únicos sistemas de intervenção cognitiva à disposição no Brasil. Se uma criança tem dificuldades de aprendizagem o que se faz com ela? Recuperação escolar! No entanto ela só recupera conteúdos e notas, mas ninguém interfere em sua dificuldade que, infelizmente, continuará a existir. Feuerstein propõe uma intervenção nas formas de pensamento, no raciocínio lógico, nos instrumentos cognitivos. E isso tem sido fundamental para a superação das dificuldades de milhares de crianças no mundo todo.
Sua principal crença “Todas as pessoas são modificáveis”  se tornou axioma em tudo o que fazia e escrevia. Também acredito nisso. E como educador percebo que ao acreditar nessa máxima, minhas ações para resgatar um aluno que já “desistiu” fazem com que eu continue motivado, até que pequenas mudanças no aluno começam a surgir. E são a base para novas ideias, novas aprendizagens. O mesmo podemos dizer daquele professor que já está “desistindo” de seus alunos em face da pouca valorização que nossa carreira tem e do descaso que muitos alunos apresentam a respeito do papel da escola. Pensando como Feuerstein, é possível mudar essa realidade também. Não é fácil, mas é possível.
Seu primeiro livro em língua portuguesa está sendo publicado pela editora Vozes: “Além da inteligência”, no entanto há outras obras, de outros autores, que aprofundam aspectos da teoria, como “Mediação da aprendizagem – contribuições de Feuerstein e de Vygotsky” dos autores Marcos Meier e Sandra Garcia, o livro “Mediação da aprendizagem na educação especial” dos autores Gislaine Coimbra Budel e Marcos Meier, “Feuerstein e a Construção Mediada do Conhecimento” do autor Cristiano Gomes, entre outros. Em inglês o número de obras é muito grande.
Futuramente reconheceremos Reuven Feuerstein como um dos maiores educadores que o mundo já conheceu, no mesmo patamar de outros grandes como Jean Piaget, Lev Vygotsky e David Ausubel. Infelizmente, aqui no Brasil, nós o conhecemos tarde. E mais triste ainda é saber que algumas universidades, por não conhecerem as bases de sua teoria, confundem-na com behaviorismo, sem perceberem que se trata de interacionismo da maior qualidade. Mas nós, seguidores de Feuerstein, acreditamos que também essas universidades são modificáveis e que logo estarão desenvolvendo pesquisas dentro da teoria feuersteniana. Vamos esperar.
Na foto, o momento que recebi das mãos de Reuven Feuerstein meu diploma de Trainer, que me autoriza a lecionar os instrumentos do programa de enriquecimento instrumental, o PEI. Quero lembrar dele com esse sorriso escondido atrás do diploma, que é uma forma de acreditar que por trás das aulas, das teorias, dos sistemas e das escolas, o que faz a diferença é um professor que ama e que acredita que pode fazer a diferença. E isso é muito bom. É feliz.
Feuerstein, que sua alma descanse em paz, sabendo que aqui na Terra continuaremos sua obra, continuaremos a acreditar que “Os cromossomos não têm a última palavra”, pois não acreditamos no determinismo, mas na fé, no trabalho e no poder que a educação tem de transformar.
Foi uma honra ter sido seu aluno. Será honra ainda maior continuar seu discípulo, pois suas palavras estarão registradas para sempre nos livros, no mundo digital e em nossos corações.

Marcos Meier é educador, psicólogo, escritor, palestrante e Trainer no Programa de Enriquecimento Instrumental de Reuven Feuerstein.



Um comentário:

Pr. Papy disse...

O mundo perde um "Poeta" da educação. Pois é assim que acredito ter ele vivido e dado ao mundo sua obra prima - A Teoria da Mediação. Tive o prazer de conhecê-la, na Faculdade Evangélica do Paraná, enquanto aluno do curso de Teologia, pelos idos de 2000,2001, quando Marcos Meier nos presenteou com muita graça sobre Reuven Feuerstein e o Processo mediativo.

Obrigado Marcos Meier, obrigado Feuerstein.